Como montar uma empresa em 15 passos espertos

Com foco em tecnologia, elaboramos os passos para você montar sua empresa

Montar uma empresa não é fácil. Especialmente no Brasil, que tem a maior carga tributária do mundo e um governo que não tem o menor interesse em diminuí-la. Pensando nisso, elaboramos 15 passos para você montar sua empresa, com foco maior na tecnologia, é claro:  

1. Não monte uma empresa. O mundo está cheio de mega-corporações dispostas a te pagar bom um salário, uma volta ao mundo e, de repente, até uma secretária. 

2. Se vai montar mesmo, não monte sozinho. Tenha bons sócios. Ou não apenas bons: sócios que te complementem: você precisa de gente que seja excepcional no que você não é. São raríssimos os casos de empreendedores solitários; às vezes você não vê, mas procure que você vai achar o sócio que toca a empresa enquanto o outro aparece no jornal. Acho que uma afinidade profunda entre os sócios é fundamental para a empresa funcionar bem. 

3. Escolha um mercado grande, que já exista e, de preferência, que esteja crescendo. A escolha do seu mercado pode ser o fator mais importante para definir o seu sucesso/fracasso. O erro de muita empresa é entrar no mercado errado. 

4. Tenha um mantra – e não missão, visão e valores. Você não tem tempo para pensar nisso agora, vai. Três palavras têm que resumir o que você está fazendo. E, se você e seus sócios não estão alinhados nisso, desista rápido. Desista também se você não consegue resumir em três palavras o que vocês querem fazer. 

5. Resolva um problema do cliente e não seu. Saiba exatamente o qual é o problema que o seu produto vai resolver, conheça quem tem esse problema e quanto essa pessoa pagaria para vê-lo resolvido. Não monte um bar só porque ainda não existe na sua cidade um bar igual àquele de Nova York. Bares e restaurantes são os negócios relativamente fáceis de abrir e extremamente difíceis de tocar, aliás. Evite.

 6. Fluxo de caixa é (muito) mais importante do que business plan. Você não morre se não seguir o planejamento estratégico – às vezes, cresce até mais rápido. Mas errar no fluxo de caixa pode te matar ou, pior, deixar você numa situação de tensão permanente, que impede que você pense no fundamental: equipe, desenvolvimento de produto e vendas. 

7. Esqueça o business plan. Tenha uma meta clara ligada a vendas. Desenvolva o seu produto, tenha os seus deadlines e trabalhe. Flexibilize seu foco/nicho se for para gerar caixa. Isso pode te ajudar a descobrir um perfil novo de clientes que você não enxergava antes de montar a empresa. É muito raro uma grande empresa que faz hoje o que ela nasceu para fazer. 

8. Velocidade é mais importante do que tudo. Corra para colocar o seu produto na prateleira. Ganhe tempo onde puder. Leia sobre produtividade pessoal e gestão de projetos. Não comprometa a qualidade para ir mais rápido: trabalhe em menos produtos, em menos versões, faça o que você já sabe, foque no fundamental etc. 

9. Vendas é mais importante do que velocidade. Quer dizer: velocidade só importa para gerar vendas. A sua empresa só existe depois da primeira venda. Antes, por mais que você trabalhe, ela é no máximo um business plan com CNPJ. 

10. Comece com serviço e escale com produto. Serviço tem matéria-prima barata (a sua hora), exige pouco investimento e você só começa a trabalhar com receita garantida. Mas serviço depende de gente, um non-scalable resource: ou seja, é muito difícil escalar, crescer rápido, prestando serviço. Enquanto presta serviço, desenvolva o seu produto e monte uma plataforma (equipe, sistemas e processos). Aí, em cima dessa plataforma, comece a vender o seu produto – que você consiga produzir em milhares, milhões de unidades. 

11. Monte processos agora. Não pare depois para fazer isso. Escreva os processos enquanto executa. Abra o Google Docs e mande bala. Um bom processo é inimigo da burocracia – e não seu orinigador. Se eles estão parecidos, é porque o processo está mal desenhado ou você ainda não percebeu o benefício dele quando for trabalhar em escala. 

12. Use programas em nuvem. Google Apps, Basecamp, Highrise, Remember the milk, Salesforce etc. Porque são acessíveis de qualquer lugar, flexíveis, fáceis de usar, baratos, escaláveis – você paga mais no ritmo em que cresce – e não precisam de um cara de TI. Quando a empresa decolar, você investe em programas mais parrudos, como o Microsoft Office.

 13. Não contrate. Faça tudo você mesmo e seus parceiros. Se sentir que precisa contratar, olhe tudo que você está fazendo – técnicas de produtividade te ajudam a deixar isso transparente – e pense se tudo isso precisa ser feito, se tudo isso precisa ser feito agora e se não tem uma forma de fazer essas coisas de uma forma mais eficiente. 

14. Monte a melhor equipe do mundo, quando precisar contratar. Uma empresa de 5-10 pessoas não pode se dar ao luxo de contratar uma pessoa média. Considere curiosidade, drive e ética. 

15. Jovens e/ou estagiários se acham os melhores profissionais do mundo. Acredite neles. Por vários motivos: porque não tem vícios de como trabalhar, porque ainda não tiveram as ambições profissionais frustradas pela burocracia de mega-corporações, porque tem estagiários excelentes por aí e porque são mais baratos. Mesmo se fossem o mesmo preço de um cara com cinco anos de experiência, em muitos casos prefira estagiários. Isso não significa montar uma indústria de mão-de-obra barata: pague mais caro pelos melhores estagiários e contrate-os quando se formarem porque, se você estiver funcionando até lá, provavelmente vai poder fazer isso.

By- Msn-Tecnologia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: