Servidor com 25 GPUs decifra qualquer senha de Windows em até seis horas

Um módulo de decriptação composto por 25 placas vídeo AMD Radeon interconectadas é capaz de quebrar senhas rapidamente. O aparelho, com programas gratuitos para descobrimento de códigos de segurança, geridos por uma distribuição Linux, gera 350 bilhões de resultados por segundo.

modulo-com-25-gpus

Tomando como base o uso de senhas de oito dígitos utilizadas por marcas e serviços, qualquer sequência pode ser descoberta em até 5:30h (ou, claro, em até menos tempo). Nesse intervalo este módulo checará 6,6 quadrilhões de combinações possíveis, inclusive as que possuem números, símbolos e letras em caixa alta ou baixa.

Elevando-se o número de dígitos, há um acréscimo considerável no tempo de pesquisa de senhas por parte do servidor. Com mais um algarismo, o período estimado para os cálculos passaria a 500 horas de trabalho. Já com dez dígitos, seria necessário pouco mais de 5 anos para o teste de todas as combinações.

Apesar de esta ferramenta de cracking transformar um algoritmo de criptografia NTLM da Microsoft em poeira em pouco tempo, ela não é restrita a esse ambiente, podendo encarar mais 44 tipos de algoritmos com alta velocidade de resultados. Por exemplo, em uma investida contra o SHA1, ela gera 63 bilhões de combinações por minuto e 180 bilhões por segundo contra MD5. Existem sistemas menos vulneráveis, como o SHA512, contra o qual a quantidade de senhas testadas é de somente 364 mil resultados por segundo.

By – TechTudo

Imagem simplesmente desaparece!

Fique parado olhando para o centro dessa imagem ( abra o post e veja a imagem inteira). Não há truque algum; apenas olhe, relaxe e veja algo que você sabe que está lá simplesmente desaparecer.

Viu? Que bom. Agora entenda como funciona…

O que você viu agora é chamado de Efeito de Troxler, que parte da ideia de que se você ficar olhando fixamente para um pontopor muito tempo, tudo ao redor de sua visão periférica desaparece. É por isso que nossos olhos estão se mexendo o tempo todo. Do mesmo jeito quando você pega uma camiseta, coloca-a mas só repara alguns minutos depois que está com ela, os neurônios de nossos sistema visual tendem a ignorar estímulos não variáveis. Resultado: tudo fica branco.

E você quer saber por que a escolha de cores suaves e borradas? Uma imagem mais definida oferece muito mais estímulos aos olhos; é mais difícil ficar olhando para um ponto fixo por muito tempo (cerca de 20 segundos) para que o efeito surja. Não conseguiu criar o efeito? Você pode estar com problemas com os cones L e M, de acordo com um informado usuário do Reddit, que também oferece outras alternativas que podem lhe ajudar.

Fonte:[www.reddit.com]

Empregabilidade – Windows 8, Ubuntu 11.04, Java 7… Aonde isso vai parar

    Ser da área de informática é estar bem informa(tiza)do, não, isso não é um bordão, isso uma simples realidade. Se você pretende ser dessa área ou está nessa área deve acompanhar a marolinha Tsunami de mudanças que ocorrem anualmente. Sim, o bom e velho Windows 98 já nem existe, porém o número 8 logo estará de volta, Conectiva? acho que agora se chama Mandriva (pelo menos era até o ano passado) e quem domina esse mundo é uma palavra Africana que significa “Humanidade”, Java? Não é mais da Sun, alias nem existe mais a Sun pois agora é Oracle, assim como o Delphi que agora pertence a Embarcadero e minha saudosa Borland nem sei mais onde anda. Um tal de Android anda por aí fazendo um bip-bip e atrapalhando a toda poderosa Apple (com sua Maçã mordida), dizem inclusive que o mascote do Android não deveria ser um Robozinho, mas um Bichinho de Maçã. E assim caminha os softwares.

   Alias, caminhar é uma forma bem legar de falar “correr a passos largos”, pois na parte de hardwares a febre dos Tablets e Smartphones contaminaram essa área, então hoje a portabilidade dos sistemas devem escorrer entre: Smartphones, Tablets, Netbooks, Notebooks e Desktops com suas milhares de configurações, se antigamente ter três sistemas operacionais já era complicado, imagina hoje em dia com diversos dispositivos e suas variadas de configurações. Isso sem contar com os novos aparelhos que estão despontando por aí, como carros mais inteligentes, televisões que acessam a rede, GPS e suas infinitas possibilidades, entre outros brinquedinhos que deve fazer a alegria de muito marmanjo nesse natal.

    Ops, estou me esquecendo das novas profissões, o pobre do Analista foi subdividido em diversas especializações, tais como, Analista de Negócios, Analista de Requisitos, Analista de Métricas, é inconcebível hoje que um Gerente de Projetos que não tenha no mínimo um PMP acompanhado de um ITIL v3 e Cobit com conhecimentos de Metodologias Ágeis e para o Programador que agora é um desenvolvedor, algumas certificações, conhecimento de Web Services, UML, RUP e mais um monte de sopa de letrinhas que juntando dão um belo caldo.

    Então estou aqui como um corvo é pintando um futuro negro (somente com tinta preta), não é bem assim, o pessoal da informática também está na crista da onda, tão antenado, alguns ganhando razoáveis salários, basta observar a revista Forbes e veja quantos caras de informática estão lá. Além disso, muitas coisas que estão despontando ele já está careca de saber e dominar e isso faz dele uma pessoa que pode treinar hoje para montar um negócio que irá estourar daqui a alguns anos. Quer uma prova?

O cara da informática sabe muito bem que o seguinte vídeo não tem nada de ficção:

Obrigado! Fernando Anselmo

Um notebook sem tela e com design diferente

O designer coreano Won-Seok Lee apresentou um conceito diferente de notebook. O modelo dele simplesmente não tem tela.

Extremamente futurista e arrojado, o segredo do B-Membrane, como foi batizado, é um projetor polarizado capaz de direcionar o display em qualquer superfície.

E quando o computador não está em uso, o projetor ainda funciona com vários efeitos de luzes diferentes.

O formato é extremamente curioso. Alguns afirmam que é inspirado no sistema de som de três caixas da JBL, outros dizem que mais parece o Soundsticks, da Kardon. Outros simplesmente consideram que o protótipo é inspirado em naves espaciais. De onde veio a inspiração, ainda não se sabe ao certo. Dê uma olhada nas imagens e tire suas conclusões.

O teclado é tão surpreendente quanto o projetor. Ele fica na base e só é exibido quando se precisa dele, como uma membrana que aparece e desaparece – daí o nome. O notebook ainda tem leitor ótico embutido.

É difícil encontrar detalhes sobre o B-Membrane pela web. Fato é que não há nenhum tipo de previsão, nem mesmo é possível saber se a fabricação do modelo é viável.

By:  tecmundo

O que é isso mesmo? Crianças…

Em um mundo onde muitas crianças aprendem a digitar antes mesmo de aprender a escrever, o que elas achariam de objetos que foram grandes novidades ontem, mas já viraram peças de museu hoje?

O Itaú fez o teste ;-)

Câmera espiã escondida em um inocente carregador

Vai ser praticamente impossível alguém desconfiar que está sendo filmado se a câmera espiã estiver escondida em um carregador de bateria – e, se desconfiar, você sempre pode alegar paranóia mesmo!

Pois essa câmera se aproveita da inocência do carregador para gravar até 32 horas de vídeo em seu cartão de 4GB de memória. O mais legal é que você nunca vai desperdiçar tempo de filmagem, pois ele possui um sensor de movimentos (ela só vai começar a gravar se alguém se movimentar no ambiente).

By-TecnoTrekos

Como são fabricados os flash drives

Há 10 anos atrás, a grande ‘sensação’ da juventude tecnológica era andar pelas ruas, escolas e shoppings ouvindo música alta com um discman debaixo do braço. Para os mais adultos, a transição de um tape deck para um leitor de CDs nos carros já tinha sido feita, e a menina dos olhos do mercado para dentro de casa era o player de DVD, que prometia trazer para a sua sala a “qualidade do cinema”.

E o ZIP drive? Vocês se lembram desses cartões? Eles não chegaram a se popularizar tanto quanto os disquetes, mas já era algo bem melhor: 100MB. Isso no início, porque depois eles passaram a armazenar 250MB – até finalmente alcançar 750MB.
Nessa mesma época, começaram a surgir os primeiros memory sticks, os mesmos cartões de memória compactos que usamos nas câmera digitais e celulares hoje em dia, só que na época ainda os chamávamos por seu nome em inglês. Isso, sem contar com a limitação de espaço dos cartões de 8MB e 16MB, mais ‘populares’ na época.
Só que de lá pra cá, os mais antenados em tecnologia já proclamaram a morte do CD, e o DVD já foi banalizado. Cartões de memória e pen drives de 2GB já viraram até itens de escola, e são distribuídos aos montes por empresas grandes e pequenas para mostrar seu portfólio de produtos a clientes e repórteres. O processo de fabricação desses componentes, obviamente, também mudou. O cuidado continua redobrado como sempre foi, com ambientes completamente livres de impurezas e testes exaustivos de controle de qualidade. A diferença é que agora, no controle de tecnologias melhores, a limpeza de ambientes, os cortes, a precisão na hora da fabricação e os testes são ainda mais rigorosos.

Ficou curioso para saber como o seu pendrive e seu cartão de memória são fabricados? A Lexar fez um vídeo mostrando todo o processo industrial, até o momento da compra. Confira logo abaixo:

by- techtudo