Um canal de fibra ótica,atinge 512Gbps de conexão

A Deutsche Telekom, companhia de telecomunicações alemã, está realizando testes do projeto OSIRIS (Optically Supported IP Router Interfaces), que visa desenvolver novas formas de lidar com a demanda de banda larga. A empresa atingiu uma velocidade de 512Gb por segundo, usando um único canal de fibra ótica, batendo o recorde de maior velocidade de transferência de dados no mundo.

Ao pegar um pacote de dados e enviá-lo de Berlim a Hannover, numa distância de 367km, os pesquisadores bateram recordes tanto na ida quanto na volta. O percurso total teve 734km de distância.

Os cabos de fibra ótica são compostos por diversos canais. Pegando como exemplo os modelos usados pela empresa alemã, que possuem 48 canais, poderíamos ter uma velocidade de 24,6 Tb por segundo, segundo o site GigaOM.

Contextualizando, agora há a possibilidade de envio de uma coleção com 3696 CDs através de apenas um cabo de fibra ótica ao mesmo tempo, em apenas um segundo. E mais: vale lembrar que esses cabos têm a espessura de um cabelo humano.

Não há previsão para a chegada no mercado da conexão de super-velocidade testada pela Deutsche.

by- OlhaDigital

As suas senhas são fortes o suficiente?

Se você quisesse esconder dinheiro, você deixaria um papelzinho amarelo brilhante preso na base do seu teclado, com instruções de como achar o dinheiro? E que tal em cima do seu monitor? Ou debaixo do seu telefone?

É claro que não. Mas o fato é que um número surpreendente de pessoas anota suas senhas e as mantém exatamente nesses lugares mais óbvios, esperando que o primeiro ladrão que aparecer as encontre. Fazemos isso porque é difícil lembrar todas as senhas que temos, o que só piora no caso daquelas que mudam todos os meses. Então, é claro, nós as anotamos em pedaços de papel e temos que nos lembrar de onde os guardamos.
Os 6 lugares mais populares (e, assim, os piores) para esconder senhas

A pior coisa que você pode fazer, em termos de segurança, é anotar suas senhas e guardá-las em algum lugar debaixo da sua mesa ou da cadeira. Mas muita gente faz isso! Estes são os lugares mais populares:

  • Embaixo do teclado
  • Embaixo do mouse pad
  • Embaixo do telefone
  • Embaixo da mesa
  • No monitor
  • Na primeira gaveta

A melhor memória é aquela na sua cabeça

Qualquer um que trabalhe em segurança de TI vai dizer isto: nenhuma senha é 100% segura, mas o melhor lugar para guardá-las é na sua cabeça – memorize-as. Então, o que você tem que fazer é criar senhas fortes que você não vai esquecer.

E este é o problema: a maioria das pessoas tem medo de que, a menos que suas senhas sejam curtas e simples, eles as esquecerão. Eles escolhem seus próprios nomes ou os nomes de seus filhos; seus endereços; seus aniversários; sequências comuns de números, como 88888888 – e usam uma senha só para tudo, para todas as contas online. (Isso obviamente não é uma boa ideia, pois, se um hacker conseguir sua senha, tentará usá-la em todas as contas.) Erroneamente, eles acham que não são importantes o suficiente para que os hackers queiram suas informações, não percebendo que os cibercriminosos são implacáveis: eles irão pegar tudo o que quiserem, independente de quem você é; em alguns segundos, eles podem roubar sua identidade, seu dinheiro e sua reputação.

E isso é bem fácil para eles. Um “adivinhador de senhas” disponível comumente, por exemplo, pode descobrir 24% das senhas usando apenas 100.000 combinações e pode testar centenas de milhares de senhas em apenas UM SEGUNDO.

Suas senhas são fortes o bastante? Teste-as aqui, na Central de Proteção e Segurança Microsoft.

Dicas úteis para ajudar você a criar senhas ultrasseguras

  1. Sua senha deve ser longa e complexa. A Microsoft recomenda que a senha tenha 14 caracteres, pelo menos. Misture letras maiúsculas e minúsculas, números e pontuação. Quanto maior a variedade, melhor.
  2. 2. Não use palavras inteiras que aparecem no dicionário (em qualquer idioma), mesmo de trás para frente ou abreviadas, ou sequências comuns de números.

3. Não use aniversários ou números de passaporte, seus ou de alguém da sua família.

4. Um bom método é escrever uma sentença inteira – mas em código. Funciona assim:

  • Escolha uma frase que tenha um significado para você e que você não vá esquecer – por exemplo, “eu quero ir para casa às 5 horas da tarde”.
  • Transforme a frase em uma série de letras, usando a primeira letra de cada palavra: “eqipca5hdt”.
  • Coloque algumas das letras (por exemplo, as da primeira metade do alfabeto) em maiúsculas: “EqIpCA5HDt”.
  • Digite uma letra como o “E” como um número: “3qIpCA5HDt”.
  • Use @ em vez de “A”: “3qIpC@5HDt”.
  • Coloque mais dois números de que você irá se lembrar no meio: “3qIpC@195HDt”.
  • Coloque pontuação: “3qIpC@19??5HDt” (14 caracteres)

Como memorizar senhas

Um pesquisa de 2007 com 3.000 pessoas[1] mostrou que um terço dos participantes com menos de 30 anos não conseguiam se lembrar de seus próprios números de telefone. Não resta dúvida do porquê de acabarmos anotando nossas senhas nos monitores! Nós simplesmente nos tornamos muito dependentes de acesso rápido à tecnologia. Infelizmente, não existe uma solução simples: se você quiser se lembrar de suas senhas, terá que treinar sua memória.

Mas, se você tiver muitas senhas para lembrar, uma coisa que você pode fazer é manter a “sentença” da senha igual e adicionar três letras do nome do site – por exemplo, “3qIpC@19??5HDtYaH” (Yahoo!) ou “3qIpC@19??5HDtFaC” (Facebook) ou “3qIpC@19??5HDtBaN” (banco).

Fácil para você; difícil para os hackers. A Verificação de Senha da Microsoft considerou “Fortes” as senhas que criamos acima. Provavelmente, você pode fazer ainda melhor.

[1] Ian Robertson, Professor de Psicologia do Instituto de Neurociência e Escola de Psicologia do Trinity College em Dublin, Irlanda

Windows 8 Developers Preview

A nova versão, Microsoft promete um salto gigantesco em termos de interface. Conheça algumas das aplicações que foram adicionadas

Você também já pode testar, mas é bom ter paciência: o pacote completo tem de 2.83 a 4.8GB (versão mais completa). Para fazer o download gratuito, é só clicar aqui. Mas atenção: como a versão ainda é para testes, muitos bugs e instabilidades podem aparecer. Portanto, só instale em um PC de testes, ou que não seja aquele principal da sua casa.

A Microsoft propõe um salto gigantesco entre o visual da edição anterior (versão 7) para esta. Na verdade, ela parece querer reunir a mesma interface, tanto para o sistema operacional móvel quanto para o sistema operacional de desktops e laptops. O visual é idêntico ao do Windows Phone 7, chamado “Metro”, que traz quadradinhos coloridos com diferentes informações. Eles podem ser atalhos para diferentes aplicativos, ou espaços para informações atualizadas em tempo real, uma vez que a ideia é que usuários estejam conectados à internet o tempo inteiro. A cada aplicativo instalado, um novo quadrado (ou “tile”) é criado. Para abri-lo, basta um click, contra os 2 necessários até então para qualquer ação no Windows.

É possível reunir “tiles” = “azulejos”  e até mesmo dar nomes para esses grupos criados. O menu “Iniciar” deixou de existir. Em seu lugar, ao jogarmos o ponteiro do mouse para o canto inferior esquerdo da tela, aparecem opções: Start, Search, Share e outras

O Internet Explorer apresenta um visual completamente diferente. A mudança mais perceptível tem a ver com a barra de endereços, que passa a ser exibida no rodapé da página. No entanto, se ele for executado a partir da interface-padrão, o browser vai assumir o mesmo visual de hoje.

Talvez esta seja uma arma da Microsoft: manter 2 visualizações, a antiga e a atual, para que os usuários se acostumem aos poucos, e migrem para
o ambiente mais recente à medida em que se sentirem seguros.

O Windows 8 traz uma grande variedade de aplicativos. Também podemos esperar pelos novos Media Center e Windows Media Player. Para ter acesso ao menu com configurações e comandos, basta apertar o botão direito em qualquer lugar da tela.

Ainda é cedo para ter conclusões mais objetivas. De qualquer forma, as primeiras impressões foram positivas. A ideia da Microsoft – de trazer a experiência dos tablets e celulares para os desktops, com telas bem maiores – é bastante interessante. O problema é a diferença gritante entre esta e a versão anterior: será que os usuários, principalmente os menos envolvidos com a tecnologia, vão se acostumar? Acreditamos que esta seja  ma questão de tempo, uma vez que tudo parece ter se tornado mais intuitivo.

Ainda não há informações concretas sobre data de lançamento, preço ou se a empresa oferecerá diferentes versões do sistema operacional. No entanto, é certeza que a Microsoft ainda tem muito chão pela frente até lançar a versão final. Por isso, podemos esperar por “upgrades”, apesar da empresa já ter deixado clara a sua linha de raciocínio para a nova versão do sistema operacional.

O Lauriney Fergutz, esteve no lançamento, nos USA. e me deu mais notícias…

Um notebook sem tela e com design diferente

O designer coreano Won-Seok Lee apresentou um conceito diferente de notebook. O modelo dele simplesmente não tem tela.

Extremamente futurista e arrojado, o segredo do B-Membrane, como foi batizado, é um projetor polarizado capaz de direcionar o display em qualquer superfície.

E quando o computador não está em uso, o projetor ainda funciona com vários efeitos de luzes diferentes.

O formato é extremamente curioso. Alguns afirmam que é inspirado no sistema de som de três caixas da JBL, outros dizem que mais parece o Soundsticks, da Kardon. Outros simplesmente consideram que o protótipo é inspirado em naves espaciais. De onde veio a inspiração, ainda não se sabe ao certo. Dê uma olhada nas imagens e tire suas conclusões.

O teclado é tão surpreendente quanto o projetor. Ele fica na base e só é exibido quando se precisa dele, como uma membrana que aparece e desaparece – daí o nome. O notebook ainda tem leitor ótico embutido.

É difícil encontrar detalhes sobre o B-Membrane pela web. Fato é que não há nenhum tipo de previsão, nem mesmo é possível saber se a fabricação do modelo é viável.

By:  tecmundo

O dia do Backup – A história do procedimento e como fazer o seu

Data comemorativa é algo que, definitivamente, não falta. Dia internacional da Língua Materna (12 de março), Dia Nacional do Cego (26 de julho), Dia do Armistício (11 de novembro)… A lista é extensa, e quando cruzamos isto com a cultura nerd, sugem o dia do Π (ou se preferir, do Pi) e datas como o Dia do Orgulho Nerd, comemorado em 25 de maio (data da première do primeiro filme da série Star Wars).
No dia 25 é celebrado, também, o Dia da Toalha. “Selo Nerd de Qualidade” para quem souber o porquê (e se não souber, tudo bem, não entre em
pânico).

Agora, se você cruzar datas comemorativas com nerds e com um pouco de auto-ajuda, temos o Dia Mundial do Backup, uma data criada para lembrar as pessoas da importância de tornar seus arquivos mais estimados “redundantes no mundo”. A ideia, que surgiu no Reddit, ganhou força, e hoje tem até site oficial: http://www.worldbackupday.net/.

Inspirados por este objetivo nobre,o site Adrenaline decidiu criar uma coluna em homenagem a este dia, que ocorreu nesta quinta-feira (31/03). Afinal, mesmo que a “comemoração” já tenha  passado, todo dia é dia de fazer backup, não é mesmo? Vamos, então, dar uma volta pela história dos backups (ou, pelo menos, as partes que alguém fez cópia para a posteridade) e também falar um pouco das opções para quem quer fazer cópias de segurança dos conteúdos importantes de seu computador.

 

Os 65 anos do primeiro computador

Hoje em dia um iPhone na mão de uma criança é um brinquedo manipulado com extrema naturalidade. Quem nasce na era do touch-screen não imagina que está diante de um velhinho que, nesta segunda-feira (14), completa 65 anos de vida: o computador digital. A data marca o lançamento do Eniac (abreviação de Electrical Numerical Integrator and Computer), desenvolvido na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, entre 1943 e 1946. A importância do Eniac está em ser o primeiro computador eletrônico digital que calculava em larga escala.

“O Eniac foi o primeiro do tipo desenvolvido nos Estados Unidos em um projeto bem sucedido e predecessor de computadores importantes para a evolução dessas máquinas”, afirma Maria Cristina Ferreira de Oliveira, professora do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP). Segundo a professora, o projeto inicial previa o investimento de US$ 150 mil, mas acabou custando US$ 400 mil. “Na época, para criar qualquer máquina era necessário mihões de dólares”, conta Maria Cristina.

Computadores e a guerra

Engana-se quem imagina que, na década de 1940, os pesquisadores pensavam em elaborar um computador para uso pessoal. Essas máquinas se desenvolveram significantemente com a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais. O Eniac, por exemplo, foi criado para calcular tabelas balísticas. “Os americanos queriam saber como deveriam posicionar seus canhões para certar o alvo. Antes do Eniac, esses cálculos exigiam grande esforço humano, sistematizado e automatizado com o computador e que também reduziu erros”, explica a professora.

O Eniac demandava muita mão de obra. Ele ocupava uma sala com 300 m2, tinha 2,5 m de altura e pesava 30 toneladas. Possuía 17.470 válvulas que esquentavam e , por queimarem, sempre tinham que ser substituídas. Ele era programado fisicamente por um painel repleto de plugues e chaves – conforme a posição delas, ele executava uma tarefa.

Os dados eram inseridos por meio de cartões perfurados, sendo que o resultado era apresentado em um painel repleto de luzes, chaves e cabos que acendiam ou apagavam de acordo com a função. Realizava cinco mil operações aritméticas por segundo. De acordo com o Computer History Museum, localizado na Califórnia, Estados Unidos, em uma década esse trambolho fez mais contas do que a humanidade inteira tinha feito até então. “Hoje, qualquer calculadora de engenharia é mais rápida que ele”, conta Maria Cristina.

História do computador

No livro “Introdução à Programação com Ada 95”, o autor Arthur Vargas Lopes conta que as avós dos computadores eram as máquinas de somar no início do século 17. Em meados de 1800, criou-se uma conhecida como “difference engine” que definiu o conceito de computador digital mecânico controlado por programa, que incorporava uma unidade aritmética, uma unidade de armazenamento, mecanismos para leitura e gravação de cartões perfurados para impressão”.

Segundo o museu Computer History Museum, o censo de 1890 nos Estados Unidos, com cerca 63 milhões de habitantes, não teria terminado antes de 1900 se não fosse criada a máquina de tabulação que lia dados gravados em cartões perfurados. Inspirado na ideia, em 1934, o computador Mark 1, projetado na Universidade de Harvard, multiplicava dois números de 23 dígitos em seis segundos – um computador atual faz o mesmo em menos de um segundo.

Depois do Eniac, nasceu o Edvac com memória binária – como são os computadores atualmente -, marcando o aparecimendo dos modernos computadores digitais. O Edvac, diferentemente do antecessor, usava a mesma memória para armazenar dados e programas sem a necessadade de alterações na parte física (espécies de manivelas). Em seguida, veio o Univac, primeiro computador comercial. “Antes, os computadores eram essencialmente usados em ambientes acadêmicos e de pesquisa”, explica Maria Cristina. “Países, bancos, grandes coorporações tinham interesse nele, já que fazia cálculos funcionando em diferentes contextos”, completa.

A demanda pelo computador crescia em meados de 1950. Na época, os interessados reservavam horas para usá-lo. Até que vieram os mainframes, que poderiam ser comprados por um preço mais acessível, mas deveriam ser mantidos em salas refrigeradas. Para aplicações acadêmicas, foram criados os minicomputadores e, em seguida, os microcomputadores e os computadores pessoais (PCs). Até chegarmos ao que conhecemos hoje. Veja a evolução dos computadores, com fotos do Computer History Museum:

 

By – yahoo

Maneiras de Fazer Backup de seus dados

Quem trabalha diretamente com informática sabe a importância de Fazer Backup. Acredite, só o Backup salva, desde que ele seja bem feito e com segurança! O problema é que só lembramos de fazer backup quando a vaca já foi ‘pro brejo’. Seja por preguiça ou descuido, às vezes perdemos arquivos importantes que podem decretar a falência de uma empresa. Veja o caso do ataque de 7 de setembro nos Estados Unidos. Muitas empresas tinham backup, no entanto, na torre ao lado.

Nos dias de hoje não são só as empresas que estão preocupadas em fazer backup de dados. Usuários domésticos, como você e eu, devem cada vez mais se preocupar com a segurança de suas informações, afinal, os computadores estão cada vez mais presentes no nosso dia a dia.

Imagine como seria se perdesse a monografia que você já vem escrevendo há meses; ou ainda se um dia antes de apresentar seu projeto de conclusão de mestrado desse uma pane no seu computador e simplesmente não conseguisse recuperar seu trabalho. Parece aterrorizante, e é! E acontece!

Hoje em dia existem diversas formas de se fazer backup, tanto fisicamente como remotamente. Veja os tipos e escolha a melhor para o seu caso.

CD/DVD: Esta pode ser uma alternativa para salvar arquivos que não sejam muito grandes. Esta, sem dúvida, é a maneira mais barata de fazer backup.

Pendrives: Já é possível comprar pendrives com diversas capacidades de armazenamento e de todos os preços. A vantagem é que você pode fazer backup e levar seus dados para qualquer lugar. No entanto, por ser pequeno, também aumenta a probabilidade de perdê-lo.

HD Externo: Costumo fazer backup utilizando Hds externos. Os preços caíram bastante nos últimos meses e a capacidade vai de 250GB até 1TB!

Backup Online: Esta é uma maneira de fazer backup que deve ser considerada nos dias de hoje, principalmente pela mobilidade que nos proporciona, já que podemos acessar os arquivos em qualquer lugar do mundo. O único problema é que, devido à qualidade (má qualidade) dos serviços de internet no Brasil, pode tornar-se inviável fazer backup de arquivos muito grandes.

By – Design Tecnológico